scp-

scp-


Ideia Basica: Fenômeno onde plantas/terra, em momento de seca prolongado, ‘sumona’ tsunamis que devastam áreas afetadas pela seca em si, matando populações(ção) e destruindo árvores.



Descrição:


SCP-###-BR-1 é a designação para um composto de solo, constituído principalmente de brunos não cálcicos, de pH 4,2 a 4.6, com uma concentração levemente elevada de teor de P elevados[[footnote]] 36,2 para 20% de argila.[[/footnote]]. Este tipo de solo aparentemente se desenvolveu com condições climáticas naturais de onde é comumente encontrado, dito regiões semi-áridas, em especial a ecorregião de Depressão Sertaneja Setentrional[[footnote]] mais conhecida por "Caatinga", abrangendo a maior parte dos estados da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.[[/footnote]] da região Nordeste do Brasil. SCP-###-BR-1 tem aparência idêntica a tipos semelhantes de solo em seu bioma, e não possui propriedades anômalas enquanto não tem relações de cultivo com SCP-###-BR-2 junto às condições necessárias para o desencadeamento de SCP-###-BR-3. Para ver experimentos sobre possíveis condições anômalas adicionais, consulte o Registro de Experimento anexado.


SCP-###-BR-2 são grupos de planta do gene //Alternanthera dentata//[[footnote]]Conhecidas no Brasil como "Periquito".[[/footnote]] , comumente encontradas em biomas tropicais e úmidos. SCP-###-BR raramente é encontrado em biomas semi-áridos (nativos de SCP-###-BR-1), pela sua alta demanda de nutrientes e hidratação contúnua. Como e quando tais plantas foram proliferadas em biomas nativos de SCP-###-BR-1 anteriores a sua descoberta ainda é desconhecido, mas hipóteses mencionam possível introdução externa por fauna aviária migrante ou experimentos de OGMs[[footnote]] Organismos Geneticamente Modificados[[/footnote]] por produtores agrícolas da região.


SCP-###-BR-3 é um fenômeno geológico causado pelo cultivo natural de pelo menos 20 mudas de SCP-###-2 em solo com altas concentrações (aqui determinadas como superior a 44% do solo abrangente em um raio de 1 km) de SCP-###-1, seguido de escassez de nutrientes em uma área de 1 km/muda, durante um suposto intervalo variado de 4 a 6 meses. Até o momento, SCP-###-BR-3 não foi observado ocorrendo anterior a este período[[footnote]]Na região afetada do Nordeste do Brasil; estudos sobre possíveis fenômenos geológicos históricos associados a SCP-###-BR-1 e 2 estão em progresso.[[/footnote]], mas condições semelhantes foram simuladas com sucesso.


SCP-###-BR-3 se manifesta como um evento composto climático-geológico de alto impacto, apesar de a área em si afetada ser relativamente baixa[[footnote]] Após o corpo maritmo alcançar seu "destino", suas ondas diminuem a distância,período e amplitude de suas ondas consideravelmente, comparadas com tsunamis já observadas de duração semelhante.[[/footnote]] Este evento costuma ter uma ordem padrão de execução:

1. SCP-###-BR-1 sofre de escassez de água e SCP-###-BR-02 perde nutrientes, desencadeando SCP-###-BR-3.

2. SCP-###-BR-3 se inicia, criando //Cumulus congestus//[[footnote]]Nuvens de grande crescimento vertical, geralmente causando pancadas de chuva localizada.[[/footnote]] em um raio de 300 km durante 10 minutos. Garoa se inicia.

3. Maremotos de magnitude 6.0 a 9.0 se iniciam na zona de convergência de placas tectônicas mais próxima a SCP-###-BR-1 e -2.

4. Garoa da Fase 2 se agrava, tomando forma de tempestade. Ventos com grau 7 na escala de Beaufort[[footnote]] 50 a 61 km/h[[/footnote]] podem ser registrados se locomovendo em direção ao terremoto marítimo causado anteriormente.

5. Sinais de tsunamis podem ser registrados a 200km do terremoto anterior. Em todos os casos registrados, fenômeno se direciona á localização de SCP-###-BR-1 e -2, independente do fluxo marítimo preexistente na zona.

6. Tsunami alcança zona costal do continente, no momento com escala (x).

7. Tsunami percorre distância necessária para alcançar a localização de SCP-###-1 e 2.

8. SCP-###-BR-3 termina aproximadamente 5 dias após seu início. Apesar da escala de destruição que SCP-###-BR-3 costuma causar, SCP-###-2 se mantém enraizadas e podem ser observadas estando mais saudáveis.


Como dito, fenômenos causados por SCP-###-3 costumam ser altamente destrutivos para fauna, flora e população nativa da região; apesar disso, o novo corpo aquático criado pelo SCP não é mantido, e é rapidamente absorvido por SCP-;###-1 e solo misturado. Tempo de "recuperação" da área geográfica (com exceção da perda de fauna/flora) costuma ser de 1 mês, após o qual formas adaptáveis de vida podem ser re-entroduzidas.



Descoberta: No dia 11 de Dezembro de xxxx, após uma seca de 4 meses e 16 dias nas áreas mais distantes da orla das cidades de Caiçara do Norte, São Bento do Norte e Pedra Grande, em Rio Grande do Norte, Brasil, notícias locais reportaram nuvens carregadas se expandindo rapidamente, cobrindo grande parte das 3 cidades mencionadas. Apesar da escala de tal fenômeno, este não foi reportado em previsões de tempo locais ou nacionais. Após um período de 30 minutos seguindo estas reportagens, etapas 2 e 4 tomaram presença, e etapa 3 foi relatada por navios da Marinha estacionados na área do Oceano Pacífico Norte em forma de um maremoto de magnitude Richter 8.5. População de Pedra Grande foi alertada de "terremotos leves possivelmente serem sentidos nos próximos dias", mas que o fenômeno provavelmente se manteria a "kilômetros" de distância da orla do Nordeste.


Aproximadamente às 20h16m do mesmo dia, ondas puderam ser observadas se retraindo ao mar. Ás 20h20m ondas de tsunami de amplitude 20[[footnote]]i.e 20 metros acima do nível do mar calculado no dia.[[/footnote]] puderam ser observadas a caminho da orla das cidades mencionadas. Ás 20h20m, tais ondas fizeram primeiro contato à costa do continente, causando destruição iminente em um raio total de 360km2, destruindo 90% das construções em seu caminho e submergendo toda a fauna e flora presentes. Números de habitantes locais falecidos é estimado em xxxxx[[footnote]]Número somado das três cidades afetadas pelo fenômeno.[[/footnote]]. Após este evento, pesquisas emergenciais foram mobilizadas, a fim de explicar tal fenômeno inusitado, e agentes encobertos da Filial Luso-Brasileira da Fundação contataram seus superiores.


Uma campanha em grande escala de doação de recursos para sobreviventes e famílias de relativos falecidos durante o evento foi mobilizada, e notícias foram instruídas a reportar o evento como fenômeno causado por alterações climáticas, comumente causados pelo aquecimento global. Parâmetros de contenção temporários foram estabelecidos 7 dias após suspeita de causas anômalas e fim de busca por sobreviventes. 1 mês após o período de "recuperação" observado na área afetada foram relatadas proliferação incomum de Alternanthera dentatas em zonas consideradas férteis na região (porém impróprias para o gene), aparentemente sem qualquer influência de fatores externos[[footnote]] Dito, equipes de pesquisa e coleta de amostras do solo e subsolo estacionadas na zona, tentando determinar a causa da "recuperação" rápida das zonas afetadas e a possibilidade de restauração do habitat nativo, além de reentrodução da fauna local.[[/footnote]]. Amostras do solo e plantas foram coletadas para testes pela Fundação, ocorridos na Área de Bio-Pesquisa-84-BR. Após os eventos do Registro de Experimento ###-BR-1, procedimentos efetivos foram determinados e executados sem aparentes efeitos adversos.


Adendo ###-BR-1: Registro de Experimento


Prefácio: Experimentos foram executados a fim de determinar possíveis características anômalas do de minérios no solo[[footnote]] posteriormente determinado como SCP-###-BR-1.[[/footnote]], nível de pH e/ou capacidade de armazenamento de umidade em relação com fatores como clima e introdução de plantas nativas e não-nativas, em especial Althernanthera dentata. A menos que exceção seja determinada em registro, toda amostra é de 5m2/composto, umidificada e com minérios padrões para o tipo de solo e condições encontradas 1 semana após o período e "recuperação" pós-SCP-###-BR-3.


> Experimento nº: ###-BR-1-1

> Condições: SCP-###-BR-1 é exposto a luz UV e umidade padrão para seu bioma nativo (semiárido) em um bioma simulado.

> Resultado: Nenhuma propriedade anômala identificada; análise do solo determina propriedades idênticas a amostras não-testadas.

> Nota: Experimento usado para determinar se SCP-###-BR-1 se mantém com as mesmas propiredades em ambientes simulados.



> Experimento nº: ###-BR-1-2

> Condições: SCP-###-BR-1 é introduzido a um ambiente tropical[[footnote]] Simulando bioma natural de floresta tropical, com padrão de 30o e 78% de umidade.[[/footnote]] e boreal [[footnote]] Simulando bioma natural de floresta boreal, com padrão de -50o e 20% de umidade.[[/footnote]], separadamente, e é irrigado com 500ml de água filtrada.

> Resultado: SCP-###-BR-1 aparenta se misturar normalmente com solo e clima úmidos e/ou frios. Nenhuma propriedade de absorção anormal é observada.


> Experimento nº: ###-BR-1-4-A

> Condições: SCP-###-BR-1, em bioma simulado típico de onde sua amostra foi retirada, tem amostra de muda do gene Mimosa tenuiflora[[footnote]]Comumente conhecida como jurema-preta.[[footnote]] nativa da região.[[/footnote]] introduzida.

> Resultado: Crescimento concluído em 1 semana. Colheita aparenta estar saudável, nenhuma propriedade anômala observada.


> Experimento nº: ###-BR-1-4-B

> Condições: SCP-###-BR-1, em bioma semiárido simulado , tem amostra de muda do gene Mimosa tenuiflora[[footnote]] Comumente conhecida como jurema-preta.[[/footnote]] (comum em biomas úmidos) e (x) (comum em biomas frios) introduzidas, separadamente.

> Resultado: Amostra de xxx: Crescimento concluído em 1 semana. Colheira aparenta estar saudável; Amostra de xxx: Crescimento concluído em 2 dias; fenótipos não sobreviveram ao clima.

> Nota: Apesar de haverem registros de // cultivados em biomas áridos, tais registros são tidos como exceções excepcionais, logo este resultado deve ser considerado como um fenômeno anômalo.


> Experimento nº: ###-BR-4-c

> Condições: SCP-###-BR-1, em biomas simulados úmido e frio, tem planta de fenótipo (x) (comum em biomas áridos), (y)(comum em biomas úmidos) e (x) (comum em biomas frios) introduzidas, separadamente.

> Resultado: Amostra de xxx em biomas úmido e/ou frio: Crescimento concluído em 2 dias; fenótipos não sobreviveram ao clima. Amostra de xxx em biomas úmido e frio: Crescimento concluído em 1 semana (úmido), amostra colhida é levemente desidratada, porém não-anômala; Crescimento concluído em 2 dias (frio); fenótipo não sobreviveu ao clima. Amostra de xxx em biomas úmido e frio: Crescimento concluído em 1 semana (úmido); fenótipo não sobreviveu; crescimento concluído em 1 semana (frio); fenótipo saudável, nenhuma propriedade anômala observada.


> Experimento nº: ###-BR-5-A

> Condições: SCP-###-BR-1, em bioma semiárido simulado, é introduzido a 2 amostras de xxxx.

> Resultado: Crescimento concluído em 1 semana. Apesar da escassez de nutrientes se tornar aparente mais rapidamente por motivos logísticos, nenhuma propriedade anômala é observada.


> Experimento nº: ###-BR-5-B

> Condições: SCP-###-BR-1, em bioma semiárido simulado, é introduzido a 20 amostras de xxxx.

> Resultado: Crescimento concluído em 1 semana. Apesar da escassez de nutrientes se tornar aparente muito mais rapidamente por motivos logísticos, nenhuma propriedade anômala é observada.


> Experimento nº: ###-BR-5-B-1

> Condições: Amostras do experimento anterior são submetidas a condições de umidade aumentada, a fim de simular chuva.

> Resultado: Nembus é formada acima de SCP-###-BR-1. Chuva é iniciada e termina 16 minutos após desencadeamento. Umidade do solo é calculada em xxxml/g. SCP-###-BR-1 e amostras de xxx aparentam estar saudáveis.

> Nota: Aparentemente a combinação de SCP-###-BR-1 com plantas de fenótipo xxx criam uma resistência natural para a flora cultivada, tanto a climas áridos quanto a climas extremamente úmidos, normalmente habitados apenas por flora de tipo musgo e lodo.


> Experimento nº: ###-BR-5-B-2

> Condições: Amostras de experimento idêntico ao Experimento XXX são submetidas a condições de umidade extremamente reduzidas, a fim de simular condições de "seca" da região nativa de SCP-###-BR-1.

> Resultado: Nembus é formada acima de SCP-###-BR-1. Chuva é iniciada em 8 minutos.

> Nota: No mesmo dia do Experimento xxx, agentes da Fundação (previamente avisados sobre possível atividade tectônica/marítima anômala) reportaram terremotos de escala x no oceano y (L: L:), e correntes de ar aumentam em intensidade. Direção "ascendente" da corrente aparenta ser da América do Sul, mais especificamente em xxxx, Paraguai, onde se encontra Sítio XXX-BR, local de experimentos de SCP-###-BR-1. Sítio é avisado e todas as amostras de SCP-###-1 são congeladas com solução de nitrogênio dispersa no bioma simulado (seguindo ordens da Diretora-Chefe de Área). Experimento abortado por medidas de segurança. Procedimentos Especiais de contenção atuais desenvolvidos e subsequentemente implementados.