Pelo menos se todos morrermos, os capitalistas também morrem

Pelo menos se todos morrermos, os capitalistas também morrem

Nullius

Anticapital


Tradução livre por nullius.

Originais em:https://anticapital0.wordpress.com/at-least-if-we-all-die-the-capitalists-die-too

Quando a luz do sol atinge a Terra, várias coisas acontecem. Em primeiro lugar, nem toda a luz do sol chega à terra e à água abaixo do céu. Um pouco disso é refletido de volta ao espaço pela atmosfera. A maior parte da luz solar é absorvida como calor pela terra, água e seres vivos. Esse calor será perdido mais tarde no espaço, à medida que ele escapa da atmosfera.Parte da energia do Sol, no entanto, é transformada em energia química nas ligações entre carbono, hidrogênio e oxigênio. A fotossíntese é o processo pelo qual as plantas são capazes de fixar o carbono gasoso em uma forma sólida. Em outras palavras, essa energia é armazenada conosco no planeta Terra.

Agora, as plantas já existem há muito tempo, e elas vêm acumulando e armazenando a energia do Sol por muitos milhões de anos. Isto é, é claro, dito com a ressalva de que grande parte da energia que as plantas acumularam ao longo dos anos escapou para a atmosfera como calor radiante. No entanto, a fotossíntese vem ocorrendo na Terra há alguns bilhões de anos, então a energia do Sol que não conseguiu escapar e permanece conosco aqui na Terra é bastante substancial. Essa energia, de novo, não existe na forma de calor, mas como uma massa sólida que pode ser bem fria ao toque, mas contém a mesma energia do Sol. É claro que estou falando de carvão, petróleo e gás natural, a herança deixada a nós por turfeiras e dinossauros que morreram antes que tipos específicos de bactérias decompositoras evoluíssem.

Agora imagine se você quiser que os bilhões de anos coletados de energia solar armazenada sejam liberados novamente na Terra em apenas algumas centenas de anos. Este é o equivalente geológico de uma explosão. A revolução industrial e o capitalismo em geral facilitaram e aceleraram essa explosão ao desenterrar e contaminar os corpos de milhões de dinossauros na busca do lucro. Mas os mortos, e não me refiro aos dinossauros, terão sua vingança contra os vivos, e não me refiro apenas aos capitalistas.

Essa é a ciência básica do que está acontecendo climaticamente falando, mas esses são apenas os 'fatos antigos' que nos tornariam empiristas se os observássemos meramente. Por exemplo, sabemos que a química e a física associadas ao disparo de uma arma são mais ou menos idênticas em todos os disparos de armas. Isso, no entanto, não nos diz nada além de uma mera descrição da balística e da explosão necessária para impulsionar uma bala. A diferença de conteúdo político entre a arma de um policial disparando uma bala para um homem negro nas ruas e um fuzil de Quaker atirando uma bala em um apanhador de escravos enviado para recuperar sua propriedade é imensa. Assim também a explosão geológica contém um importante significado social.

Para Marx, havia três estágios básicos do desenvolvimento humano, e somente no estágio final realmente alcançamos uma sociedade humana.No começo, a humanidade encontrava-se à mercê da natureza que não entendíamos nem controlávamos. O longo processo de milênios da humanidade que veio para compreender e controlar a natureza para nossos próprios propósitos nos deixou em um estado em que descobrimos que não nos entendíamos nem nos controlávamos.Os poderes produtivos que havíamos desenvolvido para domar a natureza haviam enlouquecido. O processo de domesticação das forças produtivas que havíamos criado resultaria em uma sociedade comunista em que a humanidade teria domínio da natureza, através dos poderes produtivos anteriormente criados, e de si mesma, controlando as condições que continuariam a criar a humanidade.

Isso não ocorreu e o mundo natural está mais uma vez escapando do nosso controle e compreensão. Como ainda não alcançamos o controle e a compreensão das forças produtivas que criamos, só tivemos um controle unilateral e a compreensão da natureza. De fato, o processo produtivo do capitalismo não está tão terrivelmente interessado nos produtos físicos fabricados, mas na quantidade de lucro a ser alcançada por sua venda. Tome a produção de um barril de petróleo, por exemplo. O óleo é o produto certo? Errado. O processo de produzir um barril de petróleo cria muito mais produtos do que apenas um barril de petróleo, no entanto, porque as commodities devem ter um valor de uso e um valor, o barril de petróleo é o único produto deste processo de produção que é capaz de realizando um lucro. O capitalista tomará posse do barril de petróleo, mas não do vazamento de óleo. O primeiro, porque é útil, pode levar consigo o excedente do tempo de trabalho do trabalhador. Este último, porque não é útil, apenas existe como realidade física sem significado social aparente para o capitalismo. No entanto, uma importante advertência deve ser feita. Simplesmente porque um produto é útil, não significa que ele será levado ao mercado. Também deve ser lucrativo. Produtos úteis, que não são lucrativos para vender, têm o mesmo destino que produtos não-úteis, são despejados, queimados ou descartados, qualquer que seja o destino específico que eles encontrem, os transforma em algo que não tem significado social aparente para o capitalismo. .

Mas sabemos o significado social desses produtos não-mercantis do capitalismo. Toda a poluição, resíduos tóxicos e radioativos e a dizimação de espécies inteiras têm um impacto muito real na sociedade humana.Todos estes são produtos diretos do processo de produção, mas porque eles não são mercadorias capazes de servir como um veículo para a mais-valia, a nossa compreensão de como controlá-los e produzi-los é muito menor do que a nossa compreensão de como controlar e produzir qualquer outra dada mercadoria. Na verdade, não são apenas produtos não-commodities poluentes, eles podem ser melhor chamados de anti-commodities. Seu "valor de uso" é um valor anti-uso (é geralmente prejudicial para toda a espécie humana, isso é diferente das mercadorias de armas de guerra pelo qual o portador da arma está obtendo um propósito útil, ninguém está obtendo um uso da maior concentração de chumbo na água potável), e seu "valor" é um pouco mais como "anti-valor", dado que os capitalistas devem às vezes pagar os custos associados aos seus níveis de poluição. Isso não quer dizer que as boas e velhas mercadorias comuns não sejam ou não possam ser prejudiciais aos seres humanos, as armas são o exemplo mais imediato, mas muitas commodities acabam envenenando o meio ambiente através de seu uso regular, como pesticidas.

Eu subestimei o problema da explosão geológica. Se você quiser se assustar, leia o link acima e este também . Não a sério, vá ler os dois. É suficiente dizer que essas anti-commodities poderiam muito bem ser o fim da humanidade como um todo. O processo de produção de commodities afasta os trabalhadores de seu excedente de tempo de trabalho, o processo de consumo de anti-commodities mata todos nós. Mas, novamente, que as anti-commodities vão nos matar a todos é meramente um 'fato obsoleto', há aqui um significado social mais profundo.

Vítimas da dengue, às vezes chamada de febre breakbone, primeiro temem que vão morrer. Mais tarde, eles temem que eles não vão morrer.

Vamos ser absolutamente claros. O capitalismo é bárbaro. Nenhum modo de produção liberou essa miséria e sofrimento humanos generalizados como parte de sua operação normal.Das repressões sangrentas que geraram o capitalismo ao expulsar os camponeses ingleses de suas terras, ao tráfico de escravos africanos, ao quase completo genocídio dos nativos americanos, à brutalidade sistêmica de colonizar e desmembrar a África, a América Latina e a Ásia, e assim por diante, o capitalismo sempre foi mais saudável e lucrativo quando a humanidade é levada a suportar o mais inimaginável dos sofrimentos.Mas a classe operária nunca, consciente ou inconscientemente, deixou de lutar contra o capitalismo.As formas conscientes de luta são aquelas de que vocês já estão bem conscientes, formando sindicatos, entrando em greve, formando conselhos, tomando o poder do Estado e outros. Todos esses esforços são conscientemente direcionados não apenas para acabar com o capitalismo, mas também para melhorar as condições da classe trabalhadora. Mas e quando os revolucionários são torturados, alinhados contra a parede e baleados, quando os sindicalistas se encontram em julgamento e executados, quando os grevistas são espancados até a submissão pelos policiais? Eles voltaram ao trabalho e morreram, mas não morreram por nada. Eles não apenas voltaram a trabalhar criando mercadorias, mas também criaram as anti-commodities que ainda podem nos libertar do capitalismo em um sentido negativo.Eles voltaram a trabalhar em calor insuportável e ar tóxico sob exposição constante a substâncias cancerígenas e outros materiais tóxicos, e nesse trabalho começaram a transformar o mundo para se assemelhar a essas mesmas condições.

Os mortos terão sua vingança.

Todos os camponeses ingleses mortos caçavam em seu terreno e forçavam o sistema fabril, cada criança morta obrigada a trabalhar 10, 12, 14, 16, 18 horas por dia em calor infernal e ar tóxico, toda mulher morta, mãe e filha forçadas na prostituição para evitar a fome apenas mais um dia, todo escravo morto arrancado de sua pátria e impiedosamente espancado e estuprado até a submissão, todo soldado morto recrutado e colocado em um matadouro global, todos os trabalhadores mortos terão sua vingança.

Todos eles, cada um deles, terão sua vingança. Eles esperaram pacientemente, pois se a burguesia viva acha que eles se apropriam do tempo do trabalhador, eles não têm nada para comparar com a quantidade de tempo que os mortos possuem.Todos estão unidos pelo seu ódio instintivo e primitivo à burguesia. Um ódio cego que queima branco mesmo na morte. Sozinhos eles não são nada, mas todos juntos eles criam uma atmosfera escaldante como um enxame de abelhas sufocando uma vespa.

“A estrutura do mundo foi construída pelos mortos, eles foram pagos em salários, e quando os salários foram gastos e eles estavam mortos no chão, o que eles fizeram continuaram a existir, essas cidades, estradas e fábricas são seus ossos calcificados. .

Comunismo niilista

Não são apenas as cidades, estradas e fábricas, os ossos dos mortos, mas o aumento do nível do mar, o calor esmagador, a umidade e a seca, os padrões climáticos erráticos e catastróficos, as calotas polares que em breve serão inexistentes, a extinção generalizada de insetos e plantas e animais são também o legado legado a nós pelos nossos ancestrais da classe trabalhadora.

"Como nossos pais morrem, podemos dizer verdadeiramente que suas vidas foram para nada, que a terra preta que é jogada sobre eles escurece nosso céu."

Comunismo niilista

Não foi por nada que eles morreram.Eles sabiam, assim como nós, que o capitalismo é um modo de produção que considera seu produto primário a miséria humana e, se não podemos transcender o capitalismo, talvez seja melhor sermos totalmente excluídos de nossa miséria.

“Uma onda positiva de violência e desespero começou a crescer. Os anarquistas fora da lei atiraram na polícia e soltaram seus próprios cérebros. Outros, dominados antes que pudessem disparar a última bala em suas próprias cabeças, saíram zombando da guilhotina. 'Um contra todos!' "Nada significa nada para mim!" "Malditos mestres, malditos escravos, e maldição de mim!"Reconheci, nos vários jornais, rostos que conheci ou conheci; Vi todo o movimento fundado por Libertad ser arrastado para a escória da sociedade por uma espécie de loucura; e ninguém poderia fazer nada sobre isso, muito menos eu mesmo. Os teóricos, apavorados, se dirigiram para a cobertura. Foi como um suicídio coletivo ”.

Memórias de um revolucionário

Mas estamos lá, além do ponto de não retorno do apocalipse climático, e se somos o que isso significa para nós, comunistas? Não podemos dizer exatamente o quão ruim o apocalipse climático será. Podemos dizer que ela tem o potencial de nos exterminar e que, se o capitalismo continuar como tem feito, nossos ancestrais nos libertarão desse vale de lágrimas. Os mortos ainda não tiveram sua vingança, os vivos ainda têm tempo, mas os mortos não vão esperar para sempre. E o ódio cego dos mortos será usado por nós muitos séculos no futuro, uma cicatriz permanente marcando o dano causado à humanidade pelo capitalismo, uma punição por não derrubar o capitalismo mais cedo.

Portanto, há duas possibilidades básicas: ou já passamos pelo horizonte de eventos do buraco negro que é o apocalipse climático, ou não o fizemos.

No caso em que não passamos desse horizonte de eventos, devemos reconhecer que estamos constantemente sendo atraídos para ele. Todo trabalhador ainda está produzindo anti-commodities a cada momento em que o capitalismo continua a funcionar. A questão é: o insight teórico acima nos oferece novas perspectivas de luta? A resposta é um sonoro não. A luta para salvar a humanidade só pode ser vencida através da luta da classe operária para tomar o poder de criar uma sociedade em que a produção é subordinada ao encontro e expansão da necessidade humana. Só então teremos o controle sobre os processos produtivos que criamos para domar a natureza. Só então poderemos começar a entender e controlar a produção produtiva plena, não apenas as partes que podem ser usadas para gerar lucro.Podemos ainda descobrir que o dano ecológico da burguesia torna impossível para nós sermos comunistas no sentido de promover o desenvolvimento total da humanidade. As condições materiais podem ser muito fracas para suportar tal empreendimento. Nós nos contentaremos em ser simplesmente igualitários radicais ao invés de comunistas neste caso.

Vale a pena desviar um pouco para refletir sobre a questão: o capitalismo poderia se salvar do apocalipse climático através de várias iniciativas de energia verde ou estratégias de geoengenharia, e qual deve ser nossa resposta a essas tentativas? Nós da Anti-Capital já respondemos há muito tempo.

“Agora vem a outra metade, aquela metade que torna evidente que todos aqueles que propuseram o“ resgate ”do capital; que todos aqueles que não puderam contemplar o “horror” da completa implosão do capitalismo optaram pelo mal maior . O colapso total do capitalismo, mesmo sem qualquer perspectiva de desenvolvimento de uma alternativa revolucionária, é sempre o mal menorquando nos confrontamos com a sobrevivência do sistema ”.

Nunca se esqueça de quão insuportavelmente cruel e bárbaro o capitalismo é. Devemos nos opor a todas as tentativas da burguesia de ganhar controle sobre o clima. Não estamos interessados ​​em ajudar o capitalismo a encontrar novos mercados através da energia solar ou da energia eólica. Estamos muitointeressados ​​em fazer a burguesia pagar pela devastação ecológica que estão desencadeando no mundo. Um exemplo disso pode ser a demanda por companhias de petróleo para financiar iniciativas de energia livre (através de energia eólica ou solar, negando o potencial de expansão do mercado) supervisionadas e controladas pelos membros afetados da classe trabalhadora.

E se não houver esperança? Se já cruzamos o horizonte de eventos do buraco negro que é o apocalipse climático, existe algum ponto para lutar? A resposta continua sendo um retumbante sim. Se simplesmente escolhermos nos submeter ao iminente apocalipse climático, faremos isso ainda vivendo sob a tirania do capital. Todos os piores sofrimentos e misérias estarão, como sempre, concentrados na classe trabalhadora, enquanto a burguesia encontra maneiras de expirar em relativo conforto. Se conseguirmos derrubar a burguesia e ganhar o controle de nossa própria espécie - sendo mais uma vez, podemos ter o privilégio de experimentar coletivamente pelo menos mais uma emoção humana. Mais uma emoção humana coletiva que não o ódio à burguesia que todo trabalhador instintivamente sente. À medida que somos conscientemente puxados para o vazio, todos nós conhecemos coletivamente mais um sentimento.Terror.

Essa será a soma total da experiência emocional coletiva da raça humana.Confusão, confusão em um mundo natural em que emergimos e que não entendemos. Medo, medo de deuses e senhores aristocráticos dominando as terras em que trabalhamos. Ódio, ódio da burguesia por todas as inumeráveis ​​crueldades infligidas à classe operária.E terror, terror ao inevitável desaparecimento de nossa espécie à medida que desce ao vazio.