Ergo, o Manifesto

Ergo, o Manifesto


O Manifesto Ergo tem como objetivo educar e oferecer uma visão do que a tecnologia de blockchain pode realizar. Esperamos fortalecer a sociedade através de uma forma de cooperação horizontal por meio de produção sob a divisão de trabalho, comércio e câmbio, e solidariedade e ajuda mútua.

Acreditamos que isso pode ser alcançado mantendo os princípios básicos que norteiam o bem-estar de todos os humanos. Os princípios fundamentais que têm sido centrais para os direitos e valores humanos devem ser mantidos à medida que nossas capacidades tecnológicas evoluem. As ferramentas construídas devem enriquecer os valores humanos, em vez de subjugá-los em sistemas de vigilância e controle.


Por Kushti – Com ajuda do time de desenvolvimento da Ergo

Atualmente, muitas notícias relacionadas a blockchains dizem que um banco X ou a empresa Y usará uma “blockchain” para “reduzir custos”.

Basicamente, isto significa que mais uma palavra da moda é considerada pelos grandes banqueiros apenas como mais uma ferramenta para extrair valor de todos os lugares de forma mais eficiente e também para economizar na redução de postos de trabalho.

Isto foi o que testemunhei nos primeiros anos, em torno dos usuários de fóruns online.

Criptomoedas devem fornecer ferramentas para enriquecer pessoas comuns. Seus pequenos negócios não proporcionam muito além de pagar as contas, não são grandes capitais financeiros despersonalizados. Isto foi o que me inspirou. Este é o meu sonho.

As ferramentas de uma criptomoeda, aos olhos da visão geral da comunidade original, deveriam permitir que as pessoas realizassem atividades econômicas, seja qual for o tamanho dos seus negócios, localização geográfica, taxas de juros estabelecidas por grandes players e assim por diante.

As ferramentas devem permitir que as pessoas façam contratos (digitais, autoaplicáveis, contratos inteligentes razoáveis) independentemente das diferenças de jurisdição, tradições, práticas comerciais seguidas, etc.

Espero que a Ergo seja útil aqui. Milhares de pequenas cooperativas e empreendedores individuais são mais importantes para o crescimento saudável e sustentável da riqueza em todo o mundo do que algumas corporações ocultando lucros em paraísos fiscais.

Como exemplo, vamos considerar o uso e integração com comunidades, federações cooperativas, fundações sem fins lucrativos, e fundos filantrópicos.

Vamos tentar criar finanças de base. Sim, muitas outras coisas podem ser criadas, mas acho que este meu objetivo não deve ser esquecido. Meu sonho são contratos inteligentes que ajudem a criar valor e proteger as pessoas comuns.


Origens do Bitcoin

O primeiro bloco gerado pelo Bitcoin (conhecido como o Bloco Gênesis) continha uma mensagem dizendo “The Times 03/Jan/2009 Chancellor on brink of second bailout for banks.” [“Chanceler à beira de um segundo resgate aos bancos.”, em português].

 O criador do Bitcoin e inventor da primeira blockchain funcional, escolheu ocultar sua identidade por meio de um pseudônimo com o qual todos nós nos acostumamos: Satoshi Nakamoto. Ele, ela ou eles incluíram a mensagem mencionada acima, que foi tirada de um artigo do jornal The Times publicado no mesmo dia em que o Bloco Gênesis foi minerado.

Este bloco marcou o início do Bitcoin, mas também o início de uma era de inovação tecnológica e financeira. Simplificando, este foi o catalisador para uma revolução completa.

A descentralização é política. Isso deu origem à ideia de que os poderes monopolizados poderiam ser substituídos pela tecnologia. Sistemas poderiam ser implementados para transferir valor globalmente, sem a necessidade de intermediários ou supervisão. As pessoas podem escolher a moeda que usam e escolher quem, como e quando podem trocar valores entre si.

Toda uma indústria se formou em torno da ideia de comércio P2P. Canais abertos, sem fronteiras e seguros que potencialmente poderiam ser mecanismos para nivelar o campo de atuação econômico e fornecer ferramentas para a prosperidade para o cidadão médio do planeta.


Mentalidade do mercado atual

A mentalidade dos mercados de criptografia mudou muito após a mania dos ICOs de 2017. Na verdade, parece que o espaço como um todo veio para celebrar os resgates, impressão e estímulos.

Sim, tem havido alguns ganhos massivos de preço em moeda fiduciária, muito marketing baseado em exageros, mas parece que a intenção original dos objetivos dos cypherpunks está se tornando cada vez mais diluída.

Isso é algo que precisa ser abordado. Se um criptoativo deve ser implementado como uma ferramenta eficaz para o ser humano médio, precisamos de ferramentas e adoção. No momento, parece que a mentalidade do mercado é a seguinte: como conseguimos mais usuários com marketing da moda, impulsionar os pumps e canibalizar esses novos membros das comunidades?

O estado atual do mercado é um pouco triste. Precisamos voltar às raízes da cripto-revolução, ferramentas descentralizadas que são privadas, seguras e impulsionam a adoção desses sistemas no mundo real. O ideal é criar ferramentas que ajudem as pessoas a criar valor.


Porque isso é importante?

A economia global não melhorou desde os resgates originais. Eu entendo que a narrativa central em torno da privacidade e segurança sempre joga em extremos emocionais, mas a realidade é que são sempre as pessoas comuns que se queimam  quando as economias implodem.

-

Pense nisso por um segundo.

-

As corporações têm acesso a mercados e crédito estrangeiro. Eles têm muitas ferramentas para ajustar e contornar as dificuldades econômicas.

Quanto às empresas criminosas, geralmente se beneficiam das dificuldades econômicas. Os tempos difíceis conduzem à automedicação. Os grandes sindicatos criminosos são essencialmente importação/exportação de negociações. Eles também têm acesso à moeda estrangeira e, muitas vezes, administram as operações de câmbio do mercado informal alavancando ainda mais esse acesso internacional para obter lucro.

As organizações terroristas se beneficiam em tempos de dificuldades econômicas. Nada motiva uma pessoa para a violência como a raiva justificada pela sensação de estar preso e sem esperança. As organizações terroristas prosperam em regiões de caos. Eles se alimentam do caos; é sua maior ferramenta de recrutamento.

Os ricos em nosso mundo costumam ter carteiras alocadas internacionalmente. Eles são relativamente líquidos e geralmente têm a capacidade de contornar as dificuldades por meio do acesso ao mercado, meios regulatórios como paraísos fiscais, brechas e arbitragem jurisdicional.

Existem vários exemplos de economias que estão em sérias dificuldades, uma delas que virou notícia recentemente foi a Turquia. Os bancos centrais turcos baniram recentemente as criptomoedas como forma de pagamento. Eles cortaram o acesso a uma ferramenta potencial que beneficiaria o cidadão comum.

A taxa de câmbio da Lira em relação ao dólar em 2010 foi de 1,14. A taxa de câmbio atual é 8,50. Isso representa uma redução de 86,5882% no poder de compra.

Agora imagine que você é um turco, talvez você tenha negociado uma vida inteira de tempo e trabalho para ganhar e economizar. Em um período de pouco mais de uma década, mais de 86% de seu valor monetário desapareceu.

O triste é que as blockchains estavam disponíveis na Turquia, no entanto, os governantes e representantes do poder turco abusaram de sua posição com o povo.

É extremamente importante tornar os sistemas o mais não interativos e não custodiais possível.. Isso elimina o potencial de maus atores e protege as pessoas. Isso foi uma falha de tecnologia e deveria servir como um alerta para os perigos das blockchains centralizadas.

Deixe isso servir, não como um exemplo de porque o blockchain é ruim, mas como um exemplo de porque o cidadão comum precisa de ferramentas verdadeiramente descentralizadas em que possa realmente confiar.

Agora, como na maioria das jurisdições do planeta, o cidadão médio de cada país tem praticamente zero poder sobre a política monetária. O cidadão médio não tem as ferramentas que as corporações, organizações criminosas, organizações terroristas e os ricos têm para se proteger e se beneficiar das dificuldades financeiras. As circunstâncias financeiras foram criadas pelos mesmos poderes que agora mantêm suas riquezas como reféns.

A realidade é que as pessoas no topo sempre pegam o bote salva-vidas quando um barco afunda, as pessoas no fundo afundam com o navio. Agora, isso não é exclusivo da Turquia. Este é um fenômeno global atualmente. É evidente quando se olha para as mudanças na distribuição da riqueza. No entanto, foi higienizado para parecer mais palatável. Não são os ricos que têm botes salva-vidas e as pessoas comuns estão se afogando. 

É uma recuperação econômica em forma de K.


O dinheiro como armamento

Dinheiro digital programável centralizado soa como uma atualização técnica eficiente para a infraestrutura monetária existente. Em algumas áreas, pode ser o caso. No entanto, parece que as construções básicas do dinheiro estão nos estágios iniciais de uma era que o tornará ainda mais contra o cidadão comum. Os atuais sistemas monetários fiduciários atacam este cidadão criando pressões inflacionárias persistentes. Este é um resultado direto da impressão de dinheiro do banco central, intervenção monetária e má gestão do orçamento fiscal pelos governos centrais.

A política monetária infligiu grandes dificuldades aos cidadãos globais médios, ao elevar perpetuamente o custo de vida. A hiper-monetização transformou quase todas as classes de ativos em um instrumento financeiro que é usado como meio de gerar riqueza. Isso impulsionou a desigualdade de riqueza em todo o mundo e produziu inflação na dívida global a níveis nunca vistos na história.

A verdade é que muitos consumidores foram levados a acreditar que números maiores refletem maior riqueza. A realidade é que o poder de compra da moeda está diminuindo. Sua casa não dobrou de valor, sua moeda que só compra a metade da casa. A inflação salarial ainda precisa equalizar as pressões inflacionárias que são exercidas sobre as classes média e baixa em todo o mundo. O resultado é um novo aumento na dívida pessoal e estresse monetário sobre o consumidor médio.

À medida que os bancos centrais começam a mudar para as Central Bank Digital Currencies [Moedas Digitais de Bancos Centrais, em português], eles podem acabar redefinindo os princípios históricos da própria moeda. Temo que o dinheiro seja usado como arma e transformado em uma ferramenta de controle social. Existem três pontos específicos que eu acredito que precisam ser observados e rejeitados para evitar a adoção do dinheiro como arma.

O primeiro é a capacidade do dinheiro programável ter uma data de validade e/ou a capacidade dos poderes centrais de queimar o CDBC à força. Isso constitui roubo no mais alto grau. Talvez ouviremos alguns termos higienizados, como confisco de ativos digitais; no entanto, esse nível de poder centralizado irá alterar para sempre o equilíbrio de poder entre os cidadãos e o estado.

A segunda é a capacidade do poder centralizado de conectar o crédito, ou capacidade de pagamento, ao status social de um cidadão dentro de uma comunidade. Em poucas palavras, isso é o dinheiro armado contra a dissidência. A capacidade de um cidadão discordar em qualquer sociedade livre é geralmente o único meio legal de que dispõem para efetuar mudanças. Sem a capacidade de discordar, a sociedade não é livre. Conectar acesso centralizado, mecanismos de recompensa ou conformidade com a moeda de dinheiro digital é uma arma contra o pensamento e a liberdade de expressão.

O terceiro aspecto do dinheiro digital é observar a capacidade de censurar ou limitar o crédito em áreas específicas do mercado. Isso desafia a soberania do próprio dinheiro. O contrato social coletivo geralmente diz que o seu dinheiro é seu. É sua propriedade, seu ativo. Restringir ou limitar o acesso dos consumidores a  sua própria riqueza é um poder que todos devemos temer e resistir. Embora a legalização tenha impedido o acesso a certos mercados, produtos e serviços, o dinheiro permaneceu soberano. Este pilar da liberdade deve ser respeitado. Isso poderia destruir o conceito de mercado livre.


Privacidade

A privacidade deve permanecer como uma opção para proteger o indivíduo. Não precisa ser forçada, deixe as pessoas fazerem suas próprias escolhas. 

Privacidade gera a capacidade de criar barreiras e estabelecer limites de espaço para e pelo indivíduo. Depende de cada um quais barreiras e limites eles escolheram criar. 

A civilização existe sob uma tensão contínua entre o que é melhor para a sociedade e o que é melhor para o indivíduo. As únicas entidades reais em uma comunidade são os indivíduos. Todos os coletivos, associações e governos resultam da participação e interação individual. 

A privacidade protege o indivíduo da sociedade. 

A privacidade cria espaço para permitir autonomia pessoal. A autonomia pessoal é a base dos direitos individuais.

A privacidade, tanto financeira quanto pessoal, é um componente crítico da vida em uma sociedade livre. Quando nas mãos erradas, as informações pessoais podem ser utilizadas como uma ferramenta poderosa de controle e manipulação. A privacidade permite que os indivíduos tomem decisões livres de coerção.

Os indivíduos em sociedades livres devem ter um limite, uma realidade privada, livre do envolvimento, vigilância e controle do governo. As tendências tecnológicas atuais em nosso mundo interferem significativamente no espaço pessoal de alguém.

Os indivíduos devem ter controle sobre quem tem acesso às informações sobre suas vidas pessoais e financeiras. 

A privacidade é uma questão de confiança. A falta de privacidade demonstra falta de confiança. A falta de confiança não pode ser a base de uma sociedade saudável. Sociedades saudáveis ​​são construídas com base na cooperação. A cooperação voluntária é, por si só, um exercício de confiança. 

Direitos de privacidade significam que grupos não podem pegar seus dados sem o seu conhecimento/consentimento e usar essas informações em seu benefício.

A privacidade financeira é especialmente vital, porque pode ser a diferença entre a sobrevivência e a repressão sistemática de um grupo de oposição em um país com um governo autoritário. Indivíduos com falta de privacidade na sociedade não têm meios de sobrevivência quando estão sob a ameaça de regimes opressores. 

Quantas vezes na história da humanidade conflitos religiosos, políticos ou tribais levaram um grupo no poder a tomar à força a riqueza de outro grupo menos poderoso? Com que frequência a apreensão de ativos financeiros é utilizada como meio de controle autoritário?

Muitas empresas, dissidentes e grupos de direitos humanos mantêm contas fora dos países onde atuam exatamente por esse motivo. 

A privacidade financeira pode permitir que as pessoas protejam suas economias quando um governo tenta confiscar a riqueza de seus cidadãos, seja por razões políticas, étnicas, religiosas ou "meramente" econômicas. A privacidade financeira é de profunda e permanente importância para a liberdade, e muitos governos se mostraram dispostos a abusar de informações financeiras privadas.


Moeda Ergo.nômica

O objetivo da blockchain Ergo é criar dinheiro ergonômico.

Ergonomia é uma disciplina científica preocupada com a compreensão das interações entre humanos e outros elementos de um sistema, aplicando teoria, princípios, dados e métodos para projetar um fim em otimizar o bem-estar humano e o desempenho geral do sistema. 

Vez após vez, as economias implodem, aqueles com ferramentas financeiras acabam canibalizando a riqueza e os bens do cidadão comum. Isso não é ergonômico; é predatório e monopolista. Precisamos de ferramentas melhores. 

Agora, talvez a competição vá perturbar as potências centrais. Certamente que sim, no caso da Turquia. É por isso que essas ferramentas precisam ser privadas, resilientes, resistentes à censura, seguras, abertas e gratuitas.

Talvez você viva em uma sociedade desenvolvida e pense que está tudo bem, os bancos centrais estão injetando liquidez em nossa economia. Os bancos centrais estão resgatando água suficiente para que o navio não afunde. Espero que você esteja certo, mas temo que esteja errado. 

Simplesmente porque as ferramentas que estamos construindo podem não beneficiá-lo hoje, não se engane, elas podem ser o bote salva-vidas de amanhã. Essa é a intenção, o propósito do trabalho da minha vida na criptomoeda.

Qualquer pessoa que se atreva a dizer que cripto é apenas uma ferramenta para criminosos e terroristas precisa pesquisar como essas organizações são financiadas, protegidas e de onde extraem suas cadeias de suprimentos antes de fazer tais acusações. A ignorância é venenosa. 

Com muita frequência, os que estão na base são os que sofrem, separados dos que estão no topo, e são os que iniciam o sofrimento. Este ciclo de abuso econômico precisa ser quebrado. 

O objetivo do dinheiro ergonômico é criar dinheiro e contratos inteligentes para todas as pessoas. Os que estão na base são os que mais precisam do tipo de ferramenta que estamos construindo.


Ergo e seus princípios básicos

Nesta seção, definimos os princípios centrais que devem ser seguidos para criar dinheiro ergonômico.

Isso pode ser referido como o “Contrato Social da Ergo”.

Em caso de violação intencional de algum destes princípios, o protocolo resultante não deve ser denominado Ergo.

1) Descentralização Primeiro

Ergo deve ser o mais descentralizado possível. Sempre se esforce para se espalhar e crescer. Os líderes sociais, desenvolvedores de software, fabricantes de hardware, mineradores e fundos de qualquer partido precisam evitar pontos centrais de falha. Todos os atores cuja ausência irá interromper o funcionamento do sistema precisam ter planos de contingência no caso de uma interrupção. A descentralização nasce da educação e adoção. As ferramentas que construímos precisam de documentação, a comunidade precisa participar ativamente e crescer. Ensine outras pessoas a usar e adotar as ferramentas. A Internet é um poderoso impulsionador da descentralização. Pode ser uma ferramenta poderosa para ensinar. A descentralização nasce da educação, tanto do lado do desenvolvimento quanto do lado do usuário.

O comportamento malicioso que pode afetar a segurança da rede deve ser evitado. Se alguma dessas partes aparecer durante a vida de Ergo, a comunidade deve considerar maneiras de diminuir seu nível de impacto. Sempre haverá aqueles que procuram atrapalhar, tirar vantagem, fazer mal uso  e abusar de seu poder. Qual é a resposta? Educação. Educar os usuários para se protegerem, como identificar agentes mal-intencionados, como evitá-los, como trabalhar juntos para minimizar seu poder. Eu encorajaria todos os membros da comunidade a buscarem continuamente aprender, adotar ferramentas, auxiliar e ensinar de uma forma ou de outra. Uma forte comunidade nasce por meio de uma forte cooperação.

2) Aberto e seguro

O protocolo Ergo não restringe ou limita nenhuma categoria de uso. Isso é necessário para permanecer resiliente. Certamente podemos defender a cooperação, o comércio e os valores humanos, mas não os aplicamos. Isso exigiria um poder central. Os desenvolvedores são livres para implementar qualquer lógica que desejarem, assumindo total responsabilidade pela ética e legalidade de sua aplicação. Todo o código do protocolo principal deve permanecer totalmente aberto e transparente. Cada linha, tudo deve ser totalmente alditável e transparente. Isso evita a manipulação e também cria resiliência descentralizada. A Ergo está totalmente comprometida em ser open source para permanecer confiável e essa confiança deve permanecer totalmente verificável.

Qualquer pessoa pode ingressar na rede e participar do protocolo sem permissão. Ao contrário do sistema financeiro tradicional, nenhum resgate, listas negras ou outras formas de discriminação devem ser possíveis no nível central do protocolo Ergo. A vantagem interna deve ser minimizada. 

Ergo está empenhada em apoiar ferramentas de privacidade para aqueles que desejam usá-las. Esta deve permanecer uma escolha voluntária. Se um usuário deseja usar mecanismos para interromper a disponibilidade pública de seus dados que estão totalmente dentro do escopo de seu poder. Eles devem assumir total responsabilidade pela ética e legalidade dessas ações. Ergo está comprometida com as melhores práticas de segurança. Este é um compromisso contínuo para prevenir ataques à rede, preservar a privacidade e proteger o valor da rede.

3) Criado para as pessoas comuns

Ergo tem o compromisso de ser uma ferramenta para pessoas comuns. Ergo é uma plataforma para pessoas comuns, e seus interesses não devem ser infringidos em favor de grandes partidos. Em particular, isso significa que a centralização da mineração deve ser evitada. Pessoas comuns devem ser capazes de participar do protocolo executando um nó completo e blocos de mineração. A publicação do Ergo Autolykos V1 trabalhará para fornecer uma distribuição de taxa de hash de pools. 

Ergo está empenhada em trabalhar para construir um ecossistema que ofereça ferramentas projetadas para ajudar as pessoas comuns. As negociações ponto a ponto estão continuamente sob ameaça de negociações de ponto a poder central. O objetivo da Ergo é incentivar o uso de ferramentas e a educação da comunidade para capacitar o ser humano comum.

4) Plataforma para dinheiro contratual

Plataforma de Dinheiro Contratual. Ergo é a camada base para aplicativos que serão construídos sobre ela. É adequado para diversas aplicações, mas seu foco principal é fornecer uma maneira eficiente, segura e fácil de implementar contratos financeiros. Ergo está empenhada em construir uma rede em bases sólidas que continuem a atualizar e inovar. O objetivo com o dinheiro contratual é criar um sistema que não seja sobrecarregado por altos custos e taxas de usuário. Para que o dinheiro seja ergonômico, ele deve permanecer competitivo em termos de custos. Ergo ajudará com estruturas e ferramentas para que as pessoas construam e implementem o uso máximo de suas utilidades ou dinheiro contratual.

5) Foco de longo prazo

Todos os aspectos do desenvolvimento, portanto, devem ser focados em uma perspectiva de longo prazo. Ergo foi lançado no inverno cripto, o propósito e a intenção dos principais e primeiros desenvolvedores da Ergo foi pôr de lado as condições de mercado de curto prazo. Sempre haverá aqueles que vêm pela valorização de curto prazo e aqueles que vêm pelos princípios..  

Contratos inteligentes para as pessoas é um conceito de código aberto para um sistema que pode capacitar a pessoa média. O objetivo é permanecer resiliente, adaptável e seguro ao longo do tempo. 

Uma vez que a Ergo foi projetada como uma plataforma, os aplicativos desenvolvidos com base na Ergo também devem ser capazes de sobreviver a longo prazo. Esta resiliência e capacidade de sobrevivência a longo prazo também podem permitir que a Ergo seja uma boa reserva de valor e um mecanismo para ajudar as pessoas comuns.

Devemos sempre ver além de nossos narizes, pensando no futuro. Que ferramentas podemos adicionar? Como podemos melhorar? Quais são os riscos? Como podemos nos preparar para o que vem a seguir? 

Esta visão de longo prazo nunca deve morrer para que a Ergo sobreviva. Ergo nasceu em um inverno cripto. Muitos começaram a descartar o futuro dos sistemas distribuídos e sua capacidade de criar valor; no entanto, persistimos, continuamos construindo. 

Muitas vezes as pessoas sacrificam o crescimento de longo prazo por entusiasmo de curto prazo. Os bons tempos virão, bem como os tempos difíceis. Para que a Ergo perdure, devemos ter princípios e criar valor sobre bases sólidas.


Quem é Kushti? 

Alexander Chepurnoy (também conhecido como Kushti) é o desenvolvedor da Ergo Platform e atua no desenvolvimento de blockchains e contratos inteligentes desde 2011. Ele foi um dos desenvolvedores da NXT, iniciou o smartcontract.com (agora Chainlink) em 2014 com Sergey Nazarov, e é um pesquisador da IOHK com mais de 20 trabalhos acadêmicos em seu nome. Quando estava trabalhando no NXT, começou uma estrutura de blockchain totalmente simples com Scorex, que mais tarde foi transformada em uma estrutura de blockchain modular. Este projeto chamou a atenção de Charles Hoskinson, co-fundador Cardano e Ethereum, em meados do outono de 2015. Então ele se juntou à IOHK por volta de janeiro de 2016.


Uma nota sobre a tokenomia

A Ergo Platform teve um lançamento justo desde de seu início. Não tinha ICO e não havia moedas pré-mineradas para os fundadores da plataforma. A descentralização e a justiça de um sistema monetário ponto a ponto  foi a prioridade em primeiro lugar. A tesouraria da Fundação Ergo está definida em 4,37% do total de moedas extraídas e não é possível alterar os elementos essenciais da economia de token em uma fase posterior.